quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Centro Internet Segura

Apresenta websérie

«Net Com Consciência»

Exame Informática

Há um conjunto de vídeos dedicados ao público juvenil e que aborda temas como o cyberbulling, sexting, privacidade online e muitos outros temas tecnológicos. Agora, vai poder ser usado nas escolas.

A iniciativa foi organizada pelo Centro Internet Segura e coordenado pela FCT. O objectivo foi apresentar em vídeo explicações sobre vários temas tecnológicos como cyberbulling, sexting, privacidade online e muitos outros. Estes conteúdos foram disponibilizados durante o Verão, no YouTube e vão agora ser oferecidos em pack para utilização pelas escolas, com adaptações também para os alunos com necessidades educativas especiais, explica o comunicado de imprensa. Os vídeos vão ter versões com áudio descrição, língua gestual portuguesa e legendas em português e inglês.

No total, são dez episódios que caracterizam os comportamentos online mais frequentes entre os jovens e os riscos a que estes estão expostos se não fizerem uma utilização responsável da Internet e das tecnologias. Os vídeos contam com participações dos actores Alexandre Silva, Pedro Górgia e Tiago Aldeia e, durante a apresentação marcada para hoje, os protagonistas saem do mundo virtual para interagir com os participantes.

Veja todos os vídeos no canal do YouTube.

Consulte o programa completo aqui.


terça-feira, 11 de outubro de 2016

Destacado jornalista australiano

condena pressão para a eutanásia

Paul Kelly teme que se vai mudar o país para sempre.

Paul Russell, Mercatornet, 3 de Outubro de 2016

One of Australia’s most respected journalists, Paul Kelly, has kicked back against what some of his journalistic colleagues have been treating as a rising tide in favour of euthanasia. Kelly is a former editor of The Australian, a television pundit and the author of eight books on Australian politics. Politicians will listen carefully to what he says.

«Legalise euthanasia and compassionate society dies too», published in The Weekend Australian, is a serious look at euthanasia in the places where it has been made legal. Kelly concludes that society is irrevocably damaged by the introduction of the practice of doctors killing people.

He opens with an emotional plea:

«If you love your parents, respect your children, care for your society and think compassionately about your world then it is time to open your hearts when a jurisdiction legalises killing or, as it is called, euthanasia.»

That there is renewed public interest in euthanasia in Australia at the moment cannot be denied – partly because this month marks the 20th anniversary of the first euthanasia death under the short-lived Northern Territory law (the first of its kind anywhere in the world) and partly because some journalists have been beating the drum.

Over these last 20 years, the arguments against euthanasia have not changed. What has changed is the effectiveness of palliative medicine in eliminating pain and suffering. Kelly correctly cautions, however, that «this is a critical trend but cannot conceal the fact painful deaths still exist and become the main argument for legal change. But euthanasia should not be seen as a substitute for palliative care – that would be a medical and moral blunder.»

Kelly's second point is to cite the developments in who gets euthanasia and the rise in the numbers in Belgium and Holland to conclude that, «where euthanasia is legalised the record is clear – its availability generates rapid and ever expanding use and wider legal boundaries. Its rate and practice quickly exceeds the small number of cases based on the original criteria of unacceptable pain.»

He makes his point by posing a series of questions which actually chronicle the progress of euthanasia in Belgium and Holland:

«If you sanction killing for end-of-life pain relief, how can you deny this right to people in pain who aren't dying? If you give this right to adults, how can you deny this right to children? If you give this right to people in physical pain, how can you deny this right to people with mental illness? If you give this right to people with mental illness, how can you deny this right to people who are exhausted with life?»

«Culture and values will change to justify the death process,» says Kelly as he introduces to readers of The Australian to the story of Tom Mortier and the death of his mother. Kelly uses quotes from Belgian euthanasia supremo, Wim Distelmans, to note some of his more outrageous comments that, frankly, raise no eyebrows in his homeland.

Kelly quotes Mortier when responding to Distelmans' claim that giving a lethal injection is an act of «unconditional love»:

«I loved my Mother for more than 30 years and I wanted her to live; Dr Distelmans loved her so much – 'unconditionally' – that after a few brief consultations over six months he gave her a lethal injection.»

The leading voice for Australian euthanasia at the moment, Andrew Denton, once commented to me about Tom Mortier's situation saying that, sad as it is, it was after all his mother's decision – it was her choice. No person who has read Tom's story could dismiss what happened so easily – unless they had an agenda. But Denton's words actually uncover one of the most significant changes that euthanasia laws create that, ultimately, become the driver for cultural drift and euthanasia expansion. Kelly writes:

«The trend and logic is unassailable; once legislated the principle of euthanasia is settled and the practice of euthanasia is widened, if not by law then by administrative laxity and de facto regulatory sanction. Of course, many euthanasia cases are never declared.

«A 2012 report by the European Institute of Bioethics said: ‘Initially legalised under very strict conditions, euthanasia has greadually become a very normal and even ordinary act to which patients are deemed to have a right.

«Many advocates in Australia use the rights language. Once this takes hold, then holding back the tide is nearly impossible.»

Denton and others are in denial of this reality; most likely because they realise the potency of the argument.

The «rights» argument is also present in the questions posed by Kelly. It is the denial of human nature: «Experience in other jurisdictions leads to the unambiguous conclusion: the threshold event is the original legalising of euthanasia. After this there is only one debate – it is over when and how to expand the sanctioned killings.»

Kelly is highly critical of the Victorian Parliamentary Report on end-of-life choices and cites the dissenting report by Daniel Melino MLC (Victoria) which, contrary to the style of the main report, is written in a scholarly manner and is exceptionally well-referenced.

He calls the main reports assertions that a law could be written with «robust eligibility criteria» and their denial of the «slippery slope», heroic optimism:

«It is echoed on nation after nation, year after year. It testifies to the deepest humanist conviction that mankind and wise governments can introduce euthanasia regimes with the necessary legal safeguards and the necessary regulatory protections to manage the promotion of death to ensure only net gains for the social order.

«It is surely extraordinary that people sceptical of the ability of governments to get trains running on time fool themselves into thinking they can confidently manage a regime that sanctions the termination of human life.»

Kelly goes on to quote the new head of the Australian Medical Association (AMA), Dr Michael Gannon and Liz Callaghan from Palliative Care Australia, who both content that euthanasia does not have a legitimate place in medicine and palliative medicine. Kelly also notes the push from within the AMA for that body to adopt what is known as a neutral position on euthanasia, a tactic that has been tried in a number of jurisdictions and is likely to fail once more in Australia.

The pro-euthanasia movement know that once the peak medical body «goes neutral» it can no longer express an opinion either way. Would we want the AMA to adopt a neutral position on Medicare or on government health policy? Not likely. They are the peak body whose members, charged with our care, know the reality far better than anyone else. We need them to express an opinion on all sorts of health-related matters, euthanasia being one.

Kelly closes by returning to a personal appeal to his reader:

«If we proceed then life will change, there will be a ‘slippery slope’, your relationship with your doctor will be different, the vulnerable will have a reason to feel uneasy, the push to make euthanasia a right will be inevitable, the frail will feel obliged to volunteer and our values as a community will shift more quickly than you appreciate.»

Paul Russell is director of HOPE: preventing euthanasia & assisted suicide, which is based in Australia. This article has been edited and republished from his blog with permission.

Eutanásia: aprender com os erros do Canadá

Agora que os médicos podem matar,
as pessoas vão ter medo de cuidados paliativos...

Will Johnston, Mercatornet, 5 de Outubro de 2016

The Carter decision to allow assisted suicide and euthanasia claimed that Canada could avoid abuses through careful guidelines and screening. Medically facilitated elder abuse by greedy relatives and medicalized suicide for the depressed  a grim reality where this practice is legal -- were supposed to be avoidable, said the judge because of a superior medical culture in Canada. The abuses of Belgium? Not for us.

Experience proves otherwise.

According to the new law, it will be five years before Canada's assisted suicide and euthanasia regime has to report back to the nation. Two stories offer reasons why that report will fail to reveal those depressed patients, far from death, who are steered to suicide by others and by their untreated mental illness.

A friend, herself dealing with advanced ovarian cancer, heard from a neighbour that his wife was going to get assisted suicide. The neighbour said they would be going to a doctor in Vancouver to get this done. This baffled my friend, who had seen the woman outside her home, gardening. The husband made other comments suggesting that his wife would be dead soon. She had heart trouble.

My friend tipped off her own nurse to get community services involved and the suicidal woman's depression began to be addressed by a nurse and social worker. This apparently able-bodied woman did not go to Vancouver right away  but she had been invited, as soon became clear.

I will let my friend's words testify to the end of that story:

«A few days later the husband came over with a clipboard and a pen. He started by saying, ‘Damn government did not pass the bill.’ He asked me to sign a form – that he needed two signatures for the doctor in Vancouver. He stated that none of their family and friends would sign. I almost passed out!

Seriously. I told him I would not sign. He assumed that it was on religious grounds and I said no it was experiential. He said ‘OK, then I will ask your husband.’ I told him he had better not even bring it up!

We went on a two-day visit to the grandsons and came back on June 7 (the designated day of the euthanasia) and his balcony was draped in black crepe.

Several days later I bumped into him at the mailbox and he complained that none of the neighbours had given condolences even though he made it obvious that [his wife] had ‘passed.’ I asked him how he was and he said that his wife had a nice last day, that she liked the walk around the seawall.

He also told me that he felt sorry for the poor doctor because she was so tired because she had so many euthanasias that day. He and the boyfriend are now residing together in a big new travel coach parked elsewhere in the same trailer park and the Mustang has become the vehicle of preference and he sold his house. No one talks to him...»

This appears to be medical homicide as a solution to depression, apparently facilitated by a husband with other interests.

Several weeks ago I was contacted by the wife of a young man with a neurological disease. The man had been assured by a euthanasia-performing doctor in Vancouver that he qualified for an assisted suicide. He was depressed and never ventured outdoors.

At the patient's invitation I visited him in his shared room in a dingy nursing home, a place once described to me as «a prison.» He told me about his struggle to find a cure with massive doses of vitamins. He was less disabled than, for instance, Walter Lawrence, who works in Vancouver as an inspiring peer counsellor to spinal injury patients and others.

But this patient had lost hope for the future and felt his existence was meaningless and that death was the only solution. This death-focused tunnel vision defines a suicidal depression, and any able-bodied person would be given psychological help to relieve it. This disabled man, who was nowhere near dying, was instead killed by a Vancouver physician.

The physician's rationale for circumventing the law, reportedly given over the phone before she met or examined the patient, was that he could easily get bed sores and then die of infection, so that his death «was reasonably foreseeable.»

What surprised his wife was «how easy» it was for her depressed, self-isolated husband to be killed under the new regime. What seems obvious is that the whole nature of this death is not going to be reported to the Minister of Health or the Minister of Justice – there is no transparency to this system.

Five years from now, the mandatory report is going to be full of bland and self-justifying statistics presented by the very doctors who have done the killing. By sanitizing these medicalized suicides and homicides with the now-familiar euphemisms about «medical aid in dying,» the uninvolved public will be reassured that nothing has gone wrong.

Canada has simply created a system which offers, and completes, suicide for people whose personalities, disabilities and personal situations put them at high risk for it. Well over a hundred real people have died in the few months since the old law was discarded. To complain that this was repeatedly predicted is to indulge in powerless understatement.

And next, we have the unfolding tragedy of palliative care. That medical specialty has always struggled to reassure fearful dying people that palliation has nothing to do with «mercy killing» and assisted suicide. Reluctant families have been truthfully promised that hospice nurses and doctors are not self-appointed angels of death.

Sadly, palliative care wards and hospices across Canada are, right now, in a hailstorm of administrative edicts to perform euthanasia inside their walls, in whispering range of those families and patients who had been promised a refuge of care.

Violating the principles and purposes of palliative care is in no way required by the new law. The thoughtless imposition of this radical shift needs to be halted. Hospital administrators can and must provide other locations for those few final minutes.

Our Minister of Health and her provincial colleagues would be wise to act quickly on this. The principles of suicide prevention have been betrayed. It is not inevitable that the principles of palliative care must be next.

Dr Will Johnston is a family physician in Vancouver. This article has been republished with permission from Huffington Post Canada.

Mãe coragem

P. Gonçalo Portocarrero de Almada, Observador, 8 de Outubro de 2016

Heróis são a Liliana Melo e os seus filhos. É o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, que agora condenou o Estado português, por este incrível atropelo dos mais elementares direitos fundamentais.

Já lá vão mais de quatro anos desde que o Tribunal de Sintra mandou retirar, a Liliana Melo, sete filhos, com idades entre os seis meses e os sete anos. A implacável decisão judicial, que apanhou de surpresa a mãe, incapaz de se opor a uma tão dramática medida, foi executada com requintes de especial crueldade: a casa familiar foi cercada por polícias e os filhos que nela se encontravam – um dos sete conseguiu, felizmente, evitar a captura, encontrando-se desde então em casa de outros familiares – foram levados para diversas instituições, para adopção.

Sem meios económicos ou outros, Liliana Melo começou, nesse mês de Maio – em que, por cruel ironia, se celebra o dia da mãe – a percorrer a sua via-sacra. Não é difícil imaginar a sua angústia quando se viu só, num país que não é o da sua naturalidade, proibida de ter consigo os seus filhos e até de com eles contactar. Tratada pelas autoridades judiciais e policiais como se fosse uma criminosa, Liliana é responsável pelo crime de ser mãe de muitos filhos, com as agravantes de ser cabo-verdiana, muçulmana e pobre.

Mas Liliana Melo não desistiu. Graças a Deus, não lhe faltou, desde a primeira hora, o apoio de duas corajosas advogadas, que assumiram pro bono a sua defesa. E foi com surpresa que verificaram que, ao contrário do que seria de supor pela brutal decisão judicial, não constava a ocorrência de maus-tratos, abusos, violência doméstica ou grave negligência, que justificasse não só a retirada forçosa dos seis filhos, mas sobretudo a sua separação.

Mãe coragem, Liliana Melo teve que esperar três anos para ver, de novo, os filhos que a justiça portuguesa não só lhe roubou, como impediu de contactar. Graças a uma decisão provisória do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, de Fevereiro de 2015, o Estado português foi obrigado a pôr termo à separação dos irmãos, bem como à proibição que, até então, impediu a mãe de estar com estes seus filhos.

Vale a pena recordar esse primeiro encontro, três anos depois da dolorosa separação da família: «as crianças chegaram à sala e não houve nenhuma palavra trocada. A mãe apenas abriu os braços e estiveram a chorar, agarrados uns aos outros, durante largo tempo».

Mesmo já autorizada a visitar os filhos nas instituições que os acolheram, Liliana ainda teve que sofrer não poucas humilhações. Por exemplo, no aniversário de um deles, fez-lhe o bolo que sabia ser do seu especial agrado, meteu-se no comboio e foi ter com o «menino dos anos». Mas, ao chegar à referida instituição, foi-lhe dito que não lhe era permitido entregar ao filho o seu bolo preferido, mas que podia compra-lhe outro. Liliana confidenciou que, nesse dia, voltou para casa a chorar: eram muito diferentes o bolo comprado numa pastelaria e aquele que ele mais gostava, feito pela sua mãe!

Se a mãe nunca desistiu dos seus filhos, os filhos também nunca desistiram da mãe. Dois episódios. Um dos pequenos perguntou uma vez, a uma das advogadas que tratavam do caso, quando é que acabava o «para sempre», porque tinham-lhe dito que ia ficar «para sempre» na instituição e ele supunha que, depois, poderia voltar para casa … Outro filho, que Liliana Melo foi buscar à escola, fez questão de levar a mãe à sua sala de aulas, para a apresentar, orgulhosamente, aos seus colegas!

Nesta história há muitos vilões, nomeadamente o Estado português, alguma da sua justiça e alguma da sua Segurança Social que, embora exemplares em geral, neste caso, em vez de ajudarem uma família com necessidades, tudo fizeram para a destruir.

Também o foram, por omissão, os políticos, de esquerda ou de direita, que andam sempre a encher a boca com as causas sociais, mas depois nada fazem para resolver os casos concretos. Andam a brincar ao Robin dos Bosques, à frente das câmaras da televisão, exibem a sua indignação sempre que têm um microfone pela frente mas, depois, não mexem um dedo. Uma certa comunicação social, mais atenta às causas fracturantes do que às pessoas fracturadas, foi também cúmplice, pelo seu silêncio, quando era sua obrigação informar sobre estes casos de inadmissível prepotência estatal.

Heróis são a Liliana Melo e os seus filhos, finalmente reunidos na casa que nunca devia ter deixado de ser a sua. É o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos que, em acórdão recente, recomendou a reunificação de toda a família e condenou o Estado português, por este incrível atropelo dos mais elementares direitos fundamentais, obrigando-o também a uma pesada multa que, contudo, não paga o sofrimento desta família durante quatro longos anos. São as advogadas Paula Penha Gonçalves e Clotilde Almeida, que deram a esta mãe e aos seus filhos o apoio do seu muito saber e do seu imenso trabalho, sem outra recompensa que não seja o consolo de ver, de novo, a família unida. Foi também o jornalista José Manuel Fernandes que, numa exemplar reportagem, teve a coragem de denunciar este caso. Bem-hajam!

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Daniel Sampaio: o hipócrita e sonso

da corrupção da juventude

Heduíno Gomes

Circula pelo Facebook uma entrevista de Daniel Sampaio ao Jornal de Leiria (Os pais não são amigos dos filhos. São adultos e devem funcionar como tal, traçando limites, 26 de Maio de 2016) que pode levar as pessoas a pensar que o sujeito é defensor da autoridade dos pais.

Acreditem nas palavras «sensatas» deste hipócrita, acreditem...

Ele aqui diz isto, a armar em pessoa de bom senso. Mas na volta...

Eis o que ele diz ao vivo aos jovens.

Eu ouvi-o, com os meus ouvidos, no Fórum Picoas, num evento da revista do DN organizado pela «católica progressista» Isabel Stilwell — irmã do padre do mesmo nome igualmente «progressista» —, perante uma plateia de jovens, defender que estes deveriam comportar-se à revelia dos pais, classificados de «botas de elástico» por este «educador» «especialista de educação de jovens». Com o aplauso do agente de viagens, que patrocinava o evento, claro.

Então, afinal, os pais devem exercer autoridade ou serão «botas de elástico» quando tentam exercê-la?

Eis a hipocrisia deste figurão do regime.

O oportunista escreve livros soft e fala soft quando vai à televisão, que é para vender os livros à grande massa de pais e professores crédulos. Na realidade é um dos maiores venenos que por aí há a corromper a juventude.

Ele é um dos patronos da chamada «educação sexual» nas escolas, que na realidade significa a sexualização da escola. Eis com que princípios.

Ele é um dos apoiantes do lóbi dos invertidos, a que a chamada «educação sexual» nas escolas obedece.

Ele é um dos apoiantes da «teoria do género», a que a chamada «educação sexual» nas escolas obedece.

Ele é um confesso abortista (e um dos signatários de um manifesto abortista promovido pelo PCP), a que a chamada «educação sexual» nas escolas obedece.

Em psiquiatra, mais descarado do que ele só o Júlio Machado Vaz. Apenas no descaramento. Porque na essência são iguais.

Como eles gostam de ler o Sampaio...


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Criança é morta por eutanásia na Bélgica

Jurandir Dias

A eutanásia é, a seu modo, uma consequência do aborto. O aborto trouxe um enfraquecimento da família e é praticado pelas mesmas razões, ou seja, o casal não quer ter filhos para poder gozar mais a vida, divertir-se livremente, ir à praia etc. sem ter o trabalho de cuidar de crianças.

Morreu na Bélgica a primeira criança por eutanásia. A notícia não poderia ser mais estarrecedora. A informação foi prestada pelo presidente da Comissão Federal para a Eutanásia, Wim Distelmans.[i]

Em 2014, o Parlamento Socialista da Bélgica aprovou uma lei iníqua que permite que os médicos pratiquem a eutanásia – eufemismo para não dizer assassinar – em crianças com doenças ditas incuráveis e que causam muito sofrimento. A lei permite que os menores procurem a eutanásia. Mas as crianças que serão sacrificadas teriam que «possuir a capacidade de discernimento». Que criança, nos tormentos das dores, será capaz de discernir se quererá ou não ser morta?

A eutanásia existe na Bélgica desde 2002, quando o governo socialista daquele país a aprovou para os anciãos.

O número de mortes por eutanásia na Bélgica está a subir rapidamente, com um aumento de 25% em 2012. Estudos recentes indicam que até 47% de todas as mortes assistidas não foram descritas; 32% de todas as mortes assistidas foram feitas sem pedido e os enfermeiros estão a matar os seus doentes sem o conhecimento dos médicos.[ii]

Alguns especialistas belgas estão a apoiar a extensão da eutanásia para crianças com deficiência, porque dizem que isso já está a ser feito. Os mesmos médicos especialistas sugerem que a extensão da eutanásia vai resultar num aumento de 10 a 100 mortes por ano.

Tudo isto causa uma enorme insegurança entre as pessoas. Na Holanda, um dos primeiros países a aprovar a eutanásia, os idosos cruzam a fronteira e vão tratar-se na Alemanha onde a lei da eutanásia não é tão radical. Agora, também a criança doente se sentirá gravemente ameaçada. E pensará se a sua existência não será um peso para a família e que os seus pais, mediante conselho pernicioso de um médico, não venham a terminar com a sua vida.

*    *     *

A eutanásia é, a seu modo, uma consequência do aborto. O aborto trouxe um enfraquecimento da família e é praticado pelas mesmas razões, ou seja, o casal não quer ter filhos para poder gozar mais a vida, divertir-se livremente, ir à praia etc. sem ter o trabalho de cuidar de crianças.

A criança executada pela eutanásia «alivia» a família de gastos com hospitais e do trabalho de acompanhamento familiar naquele momento crucial. Por isso se mata o filho ou a filha e depois vai divertir-se.

Como isto é diferente daquela mãe ou pai que passam noites sem dormir, rezando pela recuperação da saúde do seu filho ou filha, ao lado do seu leito de dor, consolando-a, dando forças para suportar os sofrimentos!

Os outros filhos olharão para os pais e dirão: como os meus pais são maravilhosos, como eles são dedicados. A minha mãe é uma heroína, acompanhou o meu irmãozinho até o fim. Que exemplo!

É neste momento de sofrimento que a família se une melhor; há maior solidariedade entre as pessoas.

Contudo, não são assim os pais que matam os seus filhos. Eles procuram principalmente o prazer, o gozo da vida. Procuram eliminar qualquer forma de sofrimento. Eles são o fruto de uma sociedade descristianizada. Para eles não importa o quinto mandamento que diz «não matarás», assim como os demais.

Prevendo a eutanásia para crianças, em 1936…

Na coluna «7 dias em revista» do Legionário, n.º 212, de 4 de Outubro de 1936Plinio Corrêa de Oliveira comentava um facto então pioneiro: em Perth (Austrália) um pai matou o próprio filho por motivos de saúde. Transcrevemos a seguir o texto na íntegra:

«Pela primeira vez, desde que o mundo se governa pelos princípios da civilização de Jesus Cristo, um pai mata o seu filho por motivos de saúde.

Trata-se do Sr. Sullivan, de Perth, na Austrália, que levou a passear o seu filho de três anos matando-o inesperadamente com um tiro. O próprio infanticida conduziu depois o pequeno cadáver à polícia, e declarou que a razão do crime que praticara era que o seu menino sofria de doença incurável.

Não era lícito a esse pai desnaturado, matar o seu filho, qualquer que fosse o pretexto por ele invocado. Mas façamos abstração disto, e consideremos a questão sobre outro aspecto. O Sr. Sullivan é «chauffeur», portanto pessoa relativamente desprovida de recursos. Será tão seguro que autorize o infanticídio o diagnóstico do médico de 2.ª classe, a quem provavelmente o Sr. Sullivan consultou? Será realmente incurável essa moléstia? Com os progressos que a medicina vem fazendo, não é bem possível que, daqui a alguns anos, o menino pudesse ser curado?

Em nada disto refletiu o Sr. Sullivan.

*   *   *

O Sr. Sullivan, em si, não interessa. A sua atitude vale apenas como sintoma de uma civilização.

A tal ponto o mundo descristianizado está perdendo o senso da caridade, que diversos escritores europeus já sustentam a inutilidade e, mais do que isso, a nocividade dos estabelecimentos de assistência à doença na infância.

Se a criança doente é um ser inferior, por que razão há-de o Estado sobrecarregar-se com a sua educação? Não seria melhor deixar morrer esses galhos quase secos, para que a seiva afluísse mais abundante, para os galhos sãos?

Se algum dia esse pensamento conquistar o mundo, os casos como o do Sr. Sullivan serão numerosíssimos.»

Nesse dia, a Igreja certamente já terá voltado para as catacumbas. E, no Brasil, as pessoas do povo matarão os seus filhos, nunca a conselho médico, mas por indicação de (satanistas)…»

[ii] http://www.lifenews.com/2016/09/19/first-child-dies-after-belgium-approves-measure-allowing-doctors-to-euthanize-children/ – acessado em 20 de Setembro de 2016.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Pedido de socorro

Inês Teotónio Pereira, Diário de Notícias, 17 de Setembro de 2016

Tudo começa quando chegam as listas de material escolar. Dá-me nervoso miudinho como se estivesse a dias de fazer uma operação de coração aberto. O sono é solto e os sonhos são pesadelos sobre compassos, canetas e separadores de plástico que me perseguem por florestas a arder em cenários de hipermercados. E eu, com os pés em brasa e a cabeça a andar à roda, não encontro os pincéis de tamanho dois e quatro. Só tenho um e de tamanho seis. Há milhares de tamanho seis. Acordo a suar ao som das gargalhadas da menina da caixa a dizer que tenho de lá voltar no dia seguinte porque já não há cadernos de argolas com capa mole, só há com capa dura. «Não servem. Ahahahah!» Ri-se ela. O sonho muda todos os anos, mas é sempre um pesadelo.

Há quem tire férias para preparar o regresso às aulas. Férias para encontrar guaches de seis cores específicas, tinta acrílica ou portfólios com 20 capas, em vez de férias para ir à praia. Férias para percorrer 200 km nos hipermercados, derreter centenas de euros e perder tempo de vida que fará falta na velhice. Férias para forrar livros. Forrar livros, repito. Há mais satélites no espaço do que baleias-azuis no mar e ainda não inventaram livros que não tenham de se forrar. Seja. Depois, quando finalmente tudo acaba, quando em dois dias ficámos mais pobres e certamente doentes, aparece a criancinha visivelmente irritada que diz: «Mãe, porque é que eu ainda não tenho o livro de Alemão?!»

É então que me sento, que me lembro de todos os mártires que por este mundo passaram, das vítimas da fome e da guerra, dos velhinhos abandonados e dos órfãos, e, relativizando assim a minha existência e a minha frustração, controlo-me e não estrafego a criancinha. Mas chega outro: «Preciso de ténis para a ginástica e a minha mochila está rota.» Abana a cabeça e vai-se embora. Depois outro, de sobrolho carregado a quem falta o bloco de papel A3. E então concluo que sou vítima de bullying. Sim, bullying. Pressão emocional e psicológica que experimenta os limites da minha competência e que me deixa a auto-estima em níveis irreparáveis. Há alguma linha de apoio para pais como eu? Um grupo?

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

As perseguições mafiosas

ao juiz Carlos Alexandre

António José Vilela e Fernando EstevesSábado, 26 de Março de 2015

O juiz de instrução Carlos Alexandre não tem tido uma vida fácil. Nos últimos 10 anos, já o ameaçaram, invadiram-lhe a casa, tentaram atropelar-lhe a mulher e agora envenenaram-lhe o cão.

O animal de nome Bart, que lhe tinha sido oferecido pelo procurador João de Melo, morreu envenenado com remédio dos ratos. Durante semanas, o cão agonizou e acabou por morrer na semana passada. Suspeita-se que alguém tenha atirado para o quintal da casa do juiz um alimento misturado com veneno para ratos.

Estes casos já não são estranhos para o magistrado judicial que há mais de 10 anos lida com os processos mais complexos relacionados com criminalidade violenta e económico financeira. Quando estava colocado na Polícia Judiciária Militar, Carlos Alexandre chegou a ser ameaçado e temeu até ser agredido dentro das instalações daquela força policial que dependia hierarquicamente do ministro da Defesa Nacional. Na altura, Paulo Portas era o titular do cargo e o juiz tinha ordenado que o seu chefe de gabinete fosse colocado sob escuta por causa de um alegado negócio de compra de material militar.

Mais tarde, já colocado no Tribunal Central de Instrução Criminal,  invadiram-lhe a residência e deixaram-lhe uma velha pistola à vista que estava guardada numa gaveta. O juiz achou que se tratava de um aviso. Apesar de ter segurança 24 horas por dia, outros dois acontecimentos viriam a deixá-lo bastante preocupado, sobretudo porque em causa esteve a mulher Felisbela, que terá sido objecto de duas tentativas de atropelamento quando passava numa passadeira para peões.

Agora foi a vez do cão da família.


Rogério de Moura enviou-lhe a seguinte Petição.

Caros Amigos,

Acabei de ler e assinar a petição: «APOIO AO JUIZ CARLOS ALEXANDRE » no endereço http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT82973

Pessoalmente concordo com esta petição e cumpro com o dever de a fazer chegar ao maior número de pessoas, que certamente saberão avaliar da sua pertinência e actualidade.

Agradeço que subscrevam a petição e que ajudem na sua divulgação através de um email para os vossos contactos.


Rogério de MouraEsta mensagem foi-lhe enviada por Rogério de Moura (rdemoura007@gmail.com), através do serviço http://peticaopublica.com em relação à Petição http://peticaopublica.com/?pi=PT82973

Carlos Alexandre incomoda

A folha de serviço

Eduardo Dâmaso, Sábado, 15 de Setembro de 2016

O juiz Carlos Alexandre já foi alvo de denúncias anónimas sobre contactos com jornalistas que nunca teve. Foi obrigado a um striptease salarial e a relatar a inspectores judiciais todos os rendimentos da família. Foi vasculhado por causa de um empréstimo de 4 mil euros num programa de TV dirigido por Sandra Felgueiras, filha da famosa arguida Fátima Felgueiras, que fez outro programa onde explorava alegadas «coincidências» entre as decisões do juiz e as notícias de um jornalista.

Foi «aconselhado», por superiores, a suavizar decisões sobre o crime de branqueamento em processos relacionados com Angola. Viu processos de obras em casa espiolhados e decisões suas achincalhadas por desembargadores da Relação de Lisboa que passaram mais de uma década em comissões de serviço nomeados pelos amigos políticos, com base em opiniões e não em argumentação jurídica. Viu os filhos ameaçados com pistolas deixadas em cima das respectivas fotografias.

Nunca teve uma repreensão do Conselho Superior de Magistratura. Tem quase trinta anos de serviço público, centenas de decisões acolhidas pelo direito e uma folha de serviço impecável. Tudo isso é indiferente aos pregadores evangélicos como Louçã e a outros que o macaqueiam, que reduzem tudo ao interesse indisfarçável que prosseguem e que não é outro senão safar Sócrates, mesmo que isso leve Ricardo Salgado, Oliveira e Costa e Duarte Lima na mesma água do mesmo banho a deitar fora. Todos vítimas do malandro Carlos Alexandre e do iníquo Estado de direito em que vivemos… Grandes democratas!

O «caso» Carlos Alexandre

Elogio dos vermes

José Mendonça da CruzCorta-Fitas, 14 de Setembro de 2016

O juiz Carlos Alexandre deu uma entrevista em que explicou quem era, e tudo o que disse de si está solidamente comprovado pela sua vida, a sua carreira, e o testemunho de quem o conhece ou com ele trabalhou. Mas o juiz Carlos Alexandre cometeu um erro grosseiro de avaliação: avaliou mal o país e o tempo em que vive, incomensuravelmente mais rascas do que julga ou desejaria. Compreende-se, pois, que logo lhe tenham caído em cima os barões do país pardo e da corrupção, obviamente acolhidos e aclamados na comunicação social avençada, e inevitavelmente acompanhados daqueles idiotas úteis que seguem qualquer carroça de pruridos politicamente correctos, na ilusão de mostrar equilíbrio e equidistância.

O juiz Carlos Alexandre avaliou mal.

Declarou-se católico praticante, e disse que a fé o estrutura e fortalece. Ofendeu o credo «laico» da redutora acepção socialista, menosprezou jacobinos e maçons.

Contou com alegria que tem uma família sólida e tradicional, com a qual se sente feliz. Desconsiderou, pois, as virtudes fracturantes.

Revelou serenamente que trabalha muito, ganha pouco, e vive uma vida de austeridade e contenção. Mostrou-se, portanto, displicente com uma governação que virou a página da austeridade, que defende a redução do horário de expediente para os trabalhadores (desde que do sector público), e celebra o fausto, (desde que reservado a quem tem políticas para as pessoas). E, pior, desprezou as nobres carreiras daqueles defensores da coisa pública que, à força do seu dinâmico optimismo, saltaram do Clio para o Mercedes S, do apartamento para o palacete e a casa de férias, da mediania para o enriquecimento sem causa ou explicação, do anonimato para a gloriosa inutilidade de algum observatório ou fundação.

O juiz Carlos Alexandre apresentou-se, em resumo, (e a sua vida e carreira, repete-se, parecem confirmar que é assim) como um homem sério e bom, incorruptível, estranho ao deslumbramento das mordomias, do dinheiro a rodos, dos pied à terre em Paris. Mais grave ainda: o juiz pareceu manifestar uma inabalável fé na Justiça, mesmo naqueles casos a que o programa do PS chama perseguição a políticos (seus).

Eis, pois, em pormenor e por extenso, o mais álacre manifesto contra o tempo novo português.

Que juiz deve servir, então, se Carlos Alexandre, que vai tão ao arrepio do miasma, não serve?

É fácil. Algum magistrado fiel como Santos Silva ou Silva Pereira; impoluto como Rocha Andrade; sensato, contido e escrupuloso como Costa; intocável como Ferro Rodrigues; polido como Galamba; sério como César; equidistante como Rangel; insuspeito como Nascimento; trabalhador como Nogueira; crível como Centeno; e que, no entanto, fosse frugal... como Sócrates.